Maria diz, vejam o quanto eu chorei por vós.


Maria diz, vejam o quanto eu chorei por vós!

Maria diz, vejam o quanto eu
chorei por vós. Vós negais a Verdade de meu Filho e criais vossas próprias
verdades a partir de mentiras infames. Vós vos tornais lúcifers ao passo que
poderíeis ser anjos!

Eu não exijo grandes coisas de
vós: somente que me amais como uma Mãe, somente que me invoqueis. Meu nome será
como mel em vossos lábios envenenados. Ele será igualmente salvação, pois em
todos os lugares em que eu estou, também está Jesus e todos os que o amam,
também amam a Verdade que é o Filho de minha carne. Eu não faço recusas e não
condeno. Eu amo. Eu somente amo.

Eu não quero vos assustar,
pois eu sou mais doce que um cordeiro e mais pacífica que uma oliveira. Eu sou
tão doce que, ultrapassando as ovelhas, eu aceitei que minha criatura fosse
arrancada de meu seio e sacrificada sobre um altar sangrento, sem reagir, sem
maldizer. Eu sou tão superior a uma oliveira que, de mim mesma me fiz oliva e
me deixei pressionar pela dor para extrair de meu coração virgem, imaculado e maternal,
o óleo que ia curar vossas chagas e vos consagrar ao céu.







Colocai vossas cabeças doentes
sobre meus joelhos. Eu vos curarei e vos transmitirei as palavras de Sabedoria
para vos conduzir rumo à Luz de Deus.


Referência:
Les Cahiers de 1944 – Maria Valtorta (pag 36 a 37).


Voltar