O verdadeiro amor é o que dá, não que recebe.


O verdadeiro amor é o que dá, e não o que recebe.

O amor é uma palavra que na
nossa cultura quase perdeu seu sentido. Há uma história muito interessante do
rabino de Kotzk. Ele passou por um jovem que estava claramente deliciando-se em
um prato de peixe que comia. Ele disse ao jovem:

“Por que você está comendo
esse peixe? ”

O jovem responde:

“Porque eu amo peixe! ”

O rabino responde:

“Ah, você ama o peixe e por
isso o tirou d’água, o matou e o ferveu. Não me diga que ama o peixe. Você ama
a si mesmo. E porque o peixe é gostoso na sua opinião, você o tirou da água, o
matou e ferveu. ”

Muito do que chamam de “amor”
é “ amor a peixe”.

E então um casal de jovens se
apaixona, os jovens se apaixonam, o que isto significa? Isso significa que ele
viu nessa mulher, alguém que ele creu que poderia prover todas suas
necessidades emocionais e físicas, e ela sentiu que esse homem poderia fazer o
mesmo. Isso foi o amor. Mas ambos estão olhando para as próprias necessidades.
Não é amor pelo outro. A outra pessoa se torna um veículo para a minha
satisfação.

Muito do que chamam de “amor”
é “ amor a peixe”.

E um amor externo não é sobre
o que vou receber, mas o que vou dar.

Havia um professor de ética o
rabino Dessler, que disse que as pessoas cometem um erro grave ao pensar que
você dá àquelas que você ama. Mas a verdadeira resposta é você ama aqueles a
quem você dá. E seu argumento é que se eu dou algo a você eu me investi em
você. E já que amor próprio é natural, todos amam a si mesmos, agora que parte
de mim está em você, há uma parte de mim em você que eu amo.























Então, o amor verdadeiro é um
amor que “dá”, não que “recebe”.


Referência:
A vida de santo Antonio, ou Fernando Antônio de Bulhões .
Texto: Santuário Nossa Senhora Desatadora dos Nós.


Voltar