O Milagre da Vida

Maria intercedeu pela vida e pela saúde do meu filho.

O MILAGRE DA VIDA: 

Em 2006, fiquei grávida do meu segundo filho, nesse caso, uma menina. Aos seis meses de gestação, durante um ultrassom para acompanhamento, foi constatado o óbito do meu bebê, ocorrido cerca de quinze dias antes. Na ocasião, procurei minha obstetra que me informou ser normal a ocorrência de um aborto e que não via nada de errado como causa do fato, podendo, portanto, engravidar novamente caso esse fosse meu desejo.

Cerca de um ano após, engravidei novamente de outra menina e novamente, aos seis meses de gestação, meu bebê veio a óbito. Diante dessa situação, o médico que realizou meu ultrassom no qual constatou o segundo óbito, e creio que pela graça de Deus, fazia parte de uma equipe médica especializada em abortos de repetição, indicando-me, então, o obstetra da equipe para investigação do meu caso.

Realizados vários exames, constatou-se uma incompatibilidade sanguínea rara entre mim e meu esposo, que acomete apena s cerca de 2% das mulheres no mundo, uma vez que ambos temos tipo sanguíneo A+. Esse problema fazia com meu corpo entendesse o bebê como um organismo estranho e passasse a produzir defesas, destruindo os glóbulos vermelhos do feto, causando a morte. Por que não ocorreu na primeira gravidez? Porque na primeira gestação não há problemas, porém, a partir dela meu organismo cria as defesas para as próximas gestações.

O tratamento, nunca feito pelo médico, consistia em transfusão sanguínea intrauterina do bebê, além de uma medicação importada. Seria necessário um acompanhamento rigoroso da gestação, com exames de ultrassom a cada 15 dias. Os riscos eram enormes para o bebê, pois o cordão umbilical é muito sensível e poderia se romper durante as transfusões, além da probabilidade de sequelas como anemia, retardamento e até mesmo o óbito.

Decidida a tentar novamente, fui levada pela minha amiga Rosemeire ao Santuário Maria Desatadora dos Nós e pedi a Nossa Senhora que me desse forças para tentar outra gravidez e que protegesse meu bebê de todos os males que ele poderia sofrer.

Passei a frequentar o Santuário e orar a Maria para que, ao engravidar, tudo corresse bem e que meu bebê suportasse todo o tratamento e nascesse saudável.

Em 2009, engravidei novamente e com três meses de gestação, em um exame de ultrassom, constatou-se o início do processo de destruição dos glóbulos vermelhos. A transfusão era urgente e deveria iniciar imediatamente. Nessa ocasião, meu médico me informou que o processo de destruição estava rápido demais e que ele não podia garantir que não haveria sequelas, mesmo com a transfusão iniciando-se no mesmo dia, pois parte do cérebro já tinha sido afetada. No mesmo dia, orei à Desatadora dos Nós para proteger meu filho; era um menino.

Iniciei a medicação que precisava ser administrada na veia, uma vez por semana, internada em hospital. Era um medicamento caríssimo, o qual eu não tinha condições financeiras de pagar. Entrei com recurso na justiça e novamente orei à Maria para ter sucesso no processo. Conseguimos uma liminar que obrigou o Governo a nos fornecer, gratuitamente, a medicação.

Foram oito transfusões durante toda a gestação; em uma delas, não conseguindo anestesiar o local e com risco de romper o cordão após várias tentativas, fizemos o procedimento sem anestesia. Novamente, em oração, pedi a proteção da Virgem Maria.

Certos de que meu bebê nasceria bastante frágil e debilitado, a UTI do hospital foi preparada para recebê-lo como caso de emergência, inclusive com bolsas de sangue para novas transfusões.

E aí veio o milagre da Nossa Senhora! Meu filho Leonardo, hoje com 08 anos de idade, nasceu completamente saudável, sem sequelas, sem necessidade de nova transfusão.

Atribuo o sucesso dessa gravidez à proteção de Maria Desatadora dos Nós, a quem recorri durante toda a gestação, comparecendo às missas e rezando todas as noites, inclusive a Oração para as Grávidas.

Agradeço a Maria por esse milagre!

TESTEMUNHO:
Nome: Alessandra Pedrazzi de Araujo, da Cidade de Campinas SP.
Testemunho enviado ao Santuário Nossa Senhora Desatadora dos Nós.